• Rúbia Gioli

Vantagem patrimonial

STJ manda empresa restituir lucro por usar imagem de atriz sem autorização


Uma empresa é obrigada a restituir o lucro alcançado a partir da exploração não autorizada de bem ou direito alheio. Assim entendeu a 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça ao determinar que uma empresa de cosméticos deve restituir o lucro patrimonial que obteve ao usar nome e imagem de uma atriz em campanha sem autorização.

Para vedar o enriquecimento sem causa, o relator, ministro Ricardo Villas Bôas Cueva, aplicou a tese do "lucro da intervenção", que trata da interferência indevida nos direitos de outra pessoa.

"O dever de restituição do lucro da intervenção (...) surge não só como forma de preservar a livre disposição de direitos, mas também de inibir a prática de atos contrários ao ordenamento jurídico naquelas hipóteses em que a reparação dos danos causados, ainda que integral, não se mostra adequada a tal propósito", apontou o ministro.

Representada pelo advogado Max Fontes, a atriz discordou do cálculo de restituição arbitrado pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, que determinou que a empresa deveria pagar 5% do lucro obtido na venda dos produtos, tendo como base o período entre o início e o fim da veiculação da propaganda.

O caso, segundo Villas Bôas Cueva, exige mais do que reparação de danos morais e materiais. De acordo com o ministro, é plenamente admissível cumular as ações e a restituição, "não sendo obstada pela subsidiariedade da ação de enriquecimento sem causa".

O ministro explicou ainda que, nesse caso, a responsabilidade civil "não tutela nada além dos prejuízos efetivamente sofridos pela vítima do evento danoso, enquanto que o enriquecimento ilícito se encarrega apenas de devolver o lucro obtido em decorrência da indevida intervenção no direito de imagem de outrem ao seu verdadeiro titular".

Desta forma, o ministro afirmou que caberá a um perito encontrar o método de quantificar o lucro patrimonial, bem como delimitar o cálculo sobre o período em que se verificou o uso indevido no direito de imagem da atriz.

Direito de imagem

A ação de indenização pediu também danos morais e patrimoniais pelo uso não autorizado de seu nome e imagem em campanha publicitária. Na decisão, o ministro apontou que a súmula 403 do STJ determina que diante do uso não autorizado de imagem de pessoa com fins comerciais há dever de reparação.

"Uma vez constatado o uso não autorizado do nome e da imagem da autora em campanha publicitária veiculada pela parte ré, com fins eminentemente comerciais, é devida a reparação integral dos danos morais e patrimoniais daí decorrentes", considerou o ministro ao dar provimento ao recurso.

REsp 1.698.701

Fernanda Valente é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 8 de outubro de 2018, 20h33

3 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

STF

Plenário admite a contagem do tempo em atividade insalubre ou perigosa para aposentadoria especial O Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que, até a edição da Reforma da Previdência (Eme

Queda livre

Rebaixamento de função não é motivo para indenização por danos morais, diz TST O rebaixamento de função não é motivo suficiente para o pagamento de uma indenização por danos morais, de acordo com a 1ª

Busca e apreensão

Veículo vendido indevidamente deve ser ressarcido com base na tabela Fipe, diz STJ Por Danilo Vital O ressarcimento do devedor fiduciário pela improcedência de ação de busca e apreensão, mas cuja limi

© 2017 por Mendonça & Rocha Advogados Associados. 

SIGA-NOS:

  • w-facebook