• Rúbia Gioli

Propriedade industrial -Montadoras têm direitos sobre peças de revenda, decide Cade

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) decidiu nesta quarta-feira (14/3) que revendedoras de peças de reposição de carros devem pagar royalties às montadoras. Por quatro votos a três, o órgão entendeu que as montadoras têm direitos sobre os desenhos das peças e as revendedoras não podem copiá-los.

Para o Cade, o registro da propriedade intelectual é um direito das montadoras e exercê-lo não causa “impactos anticompetitivos” sobre o mercado, como alegavam as revendedoras, representadas pela Anfape. A entidade argumentava no Cade que as montadoras Ford, Fiat e Volkswagen abusavam de seu direito de propriedade intelectual ao não permitir que revendedoras copiassem os desenhos de suas peças de reposição. A Volkswagen foi defendida pelos advogados José Del Chiaro e Ademir Pereira Junior A Fiat foi representada pelos advogados Lauro Celidonio e Gabriel Dias e a Ford, por Ricardo Inglez de Sousa.

A decisão encerra uma disputa de mais de dez anos, que se arrastava desde a época da Secretaria de Defesa Econômica (SDE). Com a finalização, ficou claro que o Cade não pode fazer controle de legalidade aplicando regras de conduta, mas apenas avaliar o cumprimento das leis em casos concretos.

O relator do processo, conselheiro Paulo Burnier, votou a favor da argumentação da Anfape. Venceu o entendimento do conselheiro Bandeira Maia, que havia pedido vista. Acompanharam a divergência as conselheiras Polyanna Vilanova, Cristiane Schmidt e Paula Silveira. Além do relator, ficaram vencidos o presidente, Alexandre Barreto de Souza, e o conselheiro João Paulo Resende.

Processo Administrativo 08012.002673/2007-51

Revista Consultor Jurídico, 14 de março de 2018, 19h20

2 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

STF

Plenário admite a contagem do tempo em atividade insalubre ou perigosa para aposentadoria especial O Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que, até a edição da Reforma da Previdência (Eme

Queda livre

Rebaixamento de função não é motivo para indenização por danos morais, diz TST O rebaixamento de função não é motivo suficiente para o pagamento de uma indenização por danos morais, de acordo com a 1ª

Busca e apreensão

Veículo vendido indevidamente deve ser ressarcido com base na tabela Fipe, diz STJ Por Danilo Vital O ressarcimento do devedor fiduciário pela improcedência de ação de busca e apreensão, mas cuja limi

© 2017 por Mendonça & Rocha Advogados Associados. 

SIGA-NOS:

  • w-facebook