• Rúbia Gioli

Efeito Grevista

Juiz declara inconstitucional MP do frete e suspende tabela para duas empresas do RN


Por Gabriela Coelho

A intervenção do governo federal na economia, impondo regulamentação ao setor de transportes de cargas no “afã” de resolver a paralisação dos caminhoneiros, ofende os princípios e fundamentos estabelecidos na Constituição Federal.

Assim entendeu o juiz federal Orlan Donato Rocha, da 8ª Vara Federal no Rio Grande do Norte, ao conceder liminar a duas empresas do estado para que fiquem desobrigadas de seguir a tabela de preços mínimos para o frete na contratação de transporte rodoviário de carga, recentemente publicada pelo governo federal.

Uma das exigências dos caminhoneiros para encerrar a paralisação das últimas duas semanas, a Medida Provisória 832/2018 fixou a chamada "Política de Preços Mínimos de Transporte Rodoviário de Cargas". A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), acompanhando o texto, passou a estabelecer que os preços mínimos têm caráter "vinculante" (com a tabela de frete), devendo ser utilizados no cálculo da contratação (Resolução 5.820/2018).

As obrigações foram contestadas por duas empresas de Mossoró (RN), que atuam na área de extração e beneficiamento de sal marinho. Ambas argumentaram que escoam a produção por meio da contratação de transporte de carga de pessoas físicas e jurídicas, cujo frete é fixado em comum acordo.

O juiz considerou evidente a intervenção irregular do governo federal na economia e fixou multa diária de R$ 1 mil caso a sede da ANTT no Rio Grande do Norte descumpra a ordem.

Segundo ele, os valores definidos pela MP e pela resolução tornariam inviável a atividade das empresas autoras, pois a mercadoria apresenta valor mínimo. Embora o Congresso esteja articulando mudanças no texto, Rocha considerou mais adequado conceder liminar suspendendo os efeitos das regras diante do perigo da demora.

Em nota, a ANTT declarou que já foi intimada sobre a liminar expedida e que a Advocacia-Geral da União está avaliando o alcance da medida. A decisão só vale para as autoras, mas o jornal Valor Econômico relata que a AGU já montou plantão de advogados no temor de enxurrada de outras decisões semelhantes pelo país.

Nova greve

Os caminhoneiros ameaçam iniciar nova paralisação caso a tabela de preços mínimos de frete seja alterada. Sob pressão de produtores rurais, o governo passou a analisar os valores estipulados.

0805790-40.2018.4.05.8401

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Ministro Dias Toffoli suspende efeitos do Tema 709

Por conta da pandemia da Covid-19 e o momento de pico no país, foram suspensos os efeitos do Tema 709 aos profissionais da saúde que estão na linha de frente ao combate ao vírus. Assim, ao menos de fo